Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As delícias do ócio criativo

As delícias do ócio criativo

De passagem

Foureaux, 14.09.22

Meu professor de análise sintática era o tipo de sujeito inexistente.

Um pleonasmo, o principal predicado da sua vida, regular como um paradigma da primeira conjugação.

Entre uma oração subordinada e um adjunto adverbial, ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito assindético de nos torturar com um aposto.

Casou com uma regência.

Foi infeliz.

Era possessivo como um pronome.

E ela era bitransitiva.

Tento ir para os eua.

Não deu.

Acharam um artigo indefinido em sua bagagem.

A interjeição do bigode declinava partículas expletivas, conetivos e agentes da passiva, o tempo todo.

Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.

 

Este texto não é meu. Vi-o como postagem, de Facebook, de um sujeito chamado Dagoberto Wagner. Não sei quem é. O autor da postagem, coloca aspas no início e no fim do texto. Entre parênteses, embaixo, está escrito Paulo Leminski. Não conheci este poeta. Vi dele algumas fotos. Li algumas linhas, mais de comentários do que dele próprio. Sei que ficou com fama de transgressor. Cá entre nós, tinha cara de quem gostava de uma birita. Fumava, se não me equivoco. O que se passa é que foi mais um desses fenômenos que o tal “mercado” gosta de enaltecer e que acaba, para o bem e para o mal, entrando na tão famigerada “série literária”. Quem cursou Letras nas décadas de 70 e 80 do século passado vai entender estas aspas. Mão vou explicá-las. Bom. Ao fim e ao cabo, copiei e digitei aqui, para não ficar muito mais de dez dias sem colocar nada neste blogue que já tem mais de década de existência e que, até hoje, continua sobrevivendo, resiliente, à sombra do oblivium... Nullam id enim ipsum...