Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As delícias do ócio criativo

As delícias do ócio criativo

De passagem

Foureaux, 14.09.22

Meu professor de análise sintática era o tipo de sujeito inexistente.

Um pleonasmo, o principal predicado da sua vida, regular como um paradigma da primeira conjugação.

Entre uma oração subordinada e um adjunto adverbial, ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito assindético de nos torturar com um aposto.

Casou com uma regência.

Foi infeliz.

Era possessivo como um pronome.

E ela era bitransitiva.

Tento ir para os eua.

Não deu.

Acharam um artigo indefinido em sua bagagem.

A interjeição do bigode declinava partículas expletivas, conetivos e agentes da passiva, o tempo todo.

Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.

 

Este texto não é meu. Vi-o como postagem, de Facebook, de um sujeito chamado Dagoberto Wagner. Não sei quem é. O autor da postagem, coloca aspas no início e no fim do texto. Entre parênteses, embaixo, está escrito Paulo Leminski. Não conheci este poeta. Vi dele algumas fotos. Li algumas linhas, mais de comentários do que dele próprio. Sei que ficou com fama de transgressor. Cá entre nós, tinha cara de quem gostava de uma birita. Fumava, se não me equivoco. O que se passa é que foi mais um desses fenômenos que o tal “mercado” gosta de enaltecer e que acaba, para o bem e para o mal, entrando na tão famigerada “série literária”. Quem cursou Letras nas décadas de 70 e 80 do século passado vai entender estas aspas. Mão vou explicá-las. Bom. Ao fim e ao cabo, copiei e digitei aqui, para não ficar muito mais de dez dias sem colocar nada neste blogue que já tem mais de década de existência e que, até hoje, continua sobrevivendo, resiliente, à sombra do oblivium... Nullam id enim ipsum...

Três - parte 1

Foureaux, 21.01.22

Treze.png

Três. Número ímpar. Também, número primo. Simbolicamente, representa, salvo engano meu, o equilíbrio perfeito, entre outras coisas. Três é um número sagrado, relacionado à luz. É o número do resultado da moldagem das substâncias – produto da união. Número dos extrovertidos, dos inteligentes, criativos e espirituosos. Em nossa tradição cultural/espiritual, o homem (1) se uniu com sua companheira (2) e juntos geraram um filho. Assim surge o número 3, a tríade, a trindade. Ideia de progressão cíclica: começo, meio e fim. O 3 é representado pelo triângulo, primeira forma geométrica perfeita, pois todos os lados têm a mesma medida. Claro está que não elimino aqui as outras “espécies” de triângulo: isósceles, retângulo, escaleno, equilátero, obtusângulo, acutângulo. No Sepher Yetzirah, é o terceiro caminho da sabedoria, da inteligência sagrada e da sabedoria original. Na esfera superior, 3 são os princípios divinos. Na esfera do intelecto, significa os 3 degraus dos abençoados e as três hierarquias dos anjos. Na esfera celestial, indica os senhores planetários das triplicidades. Na esfera elemental, os três degraus elementais. Na esfera inferior, a cabeça, o seio e a região do plexo solar. Na esfera infernal, indica os três degraus dos danados, os três juízes infernais e as três fúrias infernais. A trindade prevalece nas religiões antigas e modernas. O triângulo tem 3 pontas. Com a ponta para cima, significa o fogo e os poderes celestes; com a ponta para baixo, significa a água e as hostes inferiores. O triângulo é geralmente usado em ritos místicos e pela maçonaria, tanto esotérica e exotérica – deixo a explicação destas duas categorias relegas à curiosidade de quem me lê. Não vou entregar todo o “ouro ao bandido”...! O triskel, figura composta de três espirais, significa as três camadas da natureza da alma humana. Uma figura central no simbolismo celta antigo. Terra, mar e céu, “casamento triplo”. O número 3 reúne os ideais necessários para o amadurecimento espiritual dos seus membros: fé, esperança e caridade. Para Pitágoras, representa a perfeição. Isso porque ele é a soma do um, que significa unidade, e do dois, que significa diversidade. É o número perfeito para os chineses: junção do céu e da terra, da qual resulta a humanidade. O número três representa a unidade divina, a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Para os gregos e os romanos, a manifestação divina decorre de uma trindade da qual fazem parte Júpiter/Netuno, Plutão/Zeus, Poseidon/Hades, respectivamente – deuses relacionados com coisas que têm relação com o número 3: o raio de Júpiter, o tridente de Netuno e o cão de três cabeças de Plutão. Também os hindus têm 3 deuses principais: Brahma, Vishnu e Shiva. Da mesma forma, os egípcios têm Ísis, Osíris e Hórus. Além da manifestação divina, várias coisas são representadas por três elementos: o ciclo da vida (nascimento, vida e morte), os Reis Magos – em que pese a teoria de que teria existido um quarto...), a ressurreição de Jesus ao terceiro dia, o fato de Pedro ter negado Jesus por 3 vezes. Três são os meses década estação do ano. Três, as fases da existência humana: infância, juventude, velhice. As medidas volumétricas são três. O raciocínio humano, mais tradicional tem três etapas: hipótese, antítese, síntese. Uma boa redação dissertativa tem três partes irrecorríveis: introdução, desenvolvimento, conclusão. Três as atitudes do carcará: pega, mata e come. Mesmo que muito aranhados, aqui nos estados unidos de bruzundanga, três são os “poderes”: legislativo, executivo, judiciário – na verdade, de poder andam a ter muito pouco, em função de sua disfuncionalidade galopante. Na Literatura, o três aparece em “romances de cavalaria”: Atos, Aramis e Dartagnan. Nas histórias infantis, três são os porquinhos: Palhaço, Palito e Pedrito – pelo menos, na versão que aprendi com minha mãe. Tio Patinhas tinha três sobrinhos sapecas: Huguinho, Zezinho e Luizinho. A energia elétrica, em terras tropicais, funciona num sistema trifásico – e anda caríssima, para manter a ganância de alguns poucos. Dizem por aí que é um número chave da democracia, pois é a quantidade mínima de pessoas necessárias para que se consiga tomar uma decisão em grupo. No grupo das fantasias sexuais, o três se faz presente: ménage à trois – aqui, a curiosidade de quem me lê não vai sofrer tanto para se satisfazer...! Se você fizer três fogueiras, em local em que não haja outra possibilidade de se fazer perceber, seu pedido será compreendido. A não esquecer as letrinhas mágicas, que são três, neste caso: SOS. Aqui termina a primeira parte de uma postagem que (ainda) vai falar de Literatura tout cour, a propósito do número três. Se a minha preguiça não vencer, a complementação segue amanhã. Caso contrário... só Deus!

Em tempo: muito do que aqui vai escrito eu tirei das páginas que se encontram abaixo identificadas!

https://medium.com/@nomeruz.nc/simbologia-do-número-3-2625424a32eb

https://www.dicionariodesimbolos.com.br/numero-3/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Três 

Três.png



O fim

Foureaux, 01.12.21

Hoje é o primeiro dia do início do fim do ano. Mais um. Tudo igual. A mesma cantilena. É a época do ano de que menos gosto, mas fazer o quê? Amanhã, já vou providenciar o bacalhau para a noite do dia 24, como é costume aqui em casa. Aproveito para comprar umas jujubas de que tanto gosto. Com parcimônia, porque o diabetes é um demônio que ronda a gente com vigilância mais que canina... Assim, resolvi fazer a postagem de hoje com um texto que já deve ser conhecido de tão “rodado” na rede. Fazer o quê? É só pra matar o tempo mesmo e tentar não deixar pesar o “clima”... O texto não é meu e desconheço a autoria, por isso está entre aspas. Aí vai:

Adeus.png

“Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüentas anos. Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!... O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio... A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. Os dois pontos disseram que sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé. Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C medroso que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões. Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?... A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K e o W, “Kkk” pra cá, “www” pra lá. Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências! Chega de piadinhas dizendo que estou “tremendo de medo”. Tudo bem, vou-me embora da Língua Portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o Alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades. E não vão agüentar!... Nós nos veremos nos livros antigos. Saio da língua para entrar na História.

Adeus,
Trema.

Trema.png