Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As delícias do ócio criativo

As delícias do ócio criativo

Abril 23, 2024

Foureaux


Duvido de que Machado de Assis tenha consultado alguém sobre a “viabilidade mercadológica” de nomes como Capitu ou Eugênia quando escrevia os textos em que estas personagens aparecem. Também tenho absoluta certeza de que nenhum crítico ou professor de oficina de escrita criativa tenha avisado a Guimarães Rosa que Riobaldo era um nome que “ia bombar”! No tempo em que eles escreveram suas obras, essas chatices não existiam. Acredito que não havia gente que se aproveitava da mesma condição que favelados para publicar qualquer coisa em nome da tal de “literatura de testemunho”. Nem tão pouco, alguém, um pouco mais amorenado, escrevendo sobre mazelas suas e alheias, mas sem nenhuma fímbria de “trabalho literário” publicava suas linhas assim, com loas, pompa e circunstância. Confesso que invejo Paulo Coelho: sua equipe de marketing é supimpa. E ele tem muito senso de comércio também. Assim não fosse, não teria se tornado o sucesso retumbante em que se tornou, sobretudo no exterior. Por ser alguém que escreve sobre algo que escapa à razão, fez muito sucesso na França e, então, entra em ação a tal equipe. Pimba. Na mosca! Sem chance para mais ninguém. Reza a lenda que ele foi um dos poucos, senão o único estrangeiro a publicar simultaneamente em capa dura e livre de poche. Reza a lenda... Só por isso o invejo, o que não procede quanto ao “conteúdo” do que ele escreve. Ando desgostoso com muita coisa. Uma delas é reconhecer que não tenho chance no tout pétit monde da Literatura em Pindorama: não fiz oficina de escrita criativa, não “ganhei” nenhum prêmio, não tenho amigos influentes no “mercado” editorial. Sou um nada. Logo... oblivium... Tem nada não. Não vou morrer de tédio por conta disso. Minha saúde não me permite perder tempo com essas firulas. Em sua potência, ela me mantém em pé e feliz, apesar de tudo. De mais a mais, tudo passa, e a gente vira pó, com prêmio ou não...

Janeiro 22, 2024

Foureaux


Eu fico impressionado como é que, às vezes, uma editora dita “de respeito” se dá ao desplante de publicar certas coisas. Não sei, de fato, quais são os critérios, ainda que intua, por experiência e conhecimento de causa – é possível utilizar este argumento – quais sejam. Muito do que está “na moda”, aquilo que é preciso dizer, pensar e escrever para não ser “cancelado”; em alguns casos, o fato de ter frequentado a oficina” de escrita criativa” do fulano ou do ciclano, não a do beltrano. E por aí vai. Repito, é impressionante. Já li muita porcaria chancelada por empresa editorial de peso”. Não há uma explicação plausível, não que me convença. Nos dias que correm, tenho me aperfeiçoado nas artimanha da personalidade de São Tomé: só acredito vendo. É este o caso do minúsculo trecho que trago à baila. Há quem diga que eu não poderia dizer o que vou dizer, porque isolei um trecho apenas. Isso afetaria a visão do conjunto e poderia desvirtuar o sentido da “obra”. Não concordo. Argumento que não se sustenta. Não estou escrevendo um tratado, tese ou ensaio sobre o assunto do livro de onde tirei o trecho. Não digo o título, nem o nome do autor, muito menos o nome da editora para não me comprometer. Hoje em dia, fazer isso é correr sério risco de ser acusado de assédio, difamação, calúnia, e quejandos... Não corro este risco. Não vale a pena. Vamos lá. O trecho é o seguinte: “(...) O passarinho vem voando, bate a cara aqui e morre, a abelha se reproduz e morre, a bananeira cresce, dá banana e morre... Nós somos os únicos chatos do planeta que querem prevalecer na face da terra a todo custo e, claro, não entrar na lista de extinção de jeito nenhum. Tem uma frase interessante que é atribuída ao Einstein: “A vida começou aqui na terra sem os humanos e pode terminar sem nós”. Esse pode é um cuidado lá dele, de não detonar de vez a bomba. Já eu sou mais arrogante e digo que a vida começou sem os humanos e vai acabar sem a gente. Não somos os donos da chave e não seremos os últimos a sair. Aliás, acho antes que seremos postos para fora – por incompetência, inadimplência, abuso, e todo tipo de prevaricação em que a gente se meteu em favor da ideia de prolongar nossa própria vida. (p.54)” De cara, duas observações de ordem linguística – lato sensu. O uso do verbo prevalecer, parece equivocado. Prevalecer? Não seria mais apropriado usar o verbo “permanecer”. Parece que faz mais sentido, pelo menos, contexto em que se encontra, a ideia de permanência é mais coerente do que a ideia de prevalência. Nem mesmo com muita “licença poética” tal troca pareceria correta. Há de se lembrar que a licença poética não desculpa para encobrir incapacidade clareza textual… Mais adiante, há um “lá, solto, lépido e faceiro. Parece-me, de novo, um equívoco. Qual a função deste advérbio aqui? Seria dar um ar de coloquialidade do texto. Se assim for, é desnecessário, como se pode notar o texto é, em sua maior parte exemplo acabado de registro coloquial, logo, esse “lá” é absolutamente dispensável. A capa do livro onde se encontra o pequeno trecho entre aspas é até interessante. Não chega a ser original, mas faz jus à autoria do livro que não conheço pessoalmente. É “pessoa pública”, como se costuma dizer. Na atualidade, faz muito sucesso por aí devido às “pautas” que defende e exara com aparente sabedoria. Eu só fico pensando... e não entendo... Como é que pode?!

Novembro 30, 2023

Foureaux

images.jpeg


Não se trata de uma expressão qualquer...

“Notável saber jurídico e reputação ilibada”.

Notável: adjetivo de dois gêneros, digno de nota, de atenção; que pode ser percebido; apreciável, sensível.

Saber jurídico: de acordo com Walber de Moura Agra: “notável saber jurídico significa que o cidadão, obrigatoriamente, deve ser bacharel em direito, com robustos conhecimentos que se traduzam em sapiência nos julgamentos.

Reputação: substantivo feminino, conceito de que alguém ou algo goza num grupo humano; renome, estima, fama.

Ilibada: adjetivo, não tocado; sem mancha; puro; que ficou livre de culpa ou de suspeita; reabilitado, justificado.

Tirem suas próprias conclusões.

Novembro 22, 2023

Foureaux

images.jpeg

Unknown.jpeg

O texto que segue foi publicado hoje num grupo de que faço parte - Compartilhando leituras - no Facebook. Como não sei quem tem curiosidade procurar por esse tipo de grupo... resolvi partilhar aqui. Dessa maneira, mantenho o ritmo de postagens do blogue, vencendo a preguiça...

Faz tempo que não partilho nada por aqui. O que não quer dizer que eu não esteja lendo. Pelo contrário. O prazer só aumenta com esta prática solitária e saudável, uma coisa insubstituível. Tenho o prazer de anunciar que, mais uma vez, decidi parar de ler um livro que estava me chateando muito Don Juan. Sim. Uma chatice. Parei no segundo canto. Não vejo sentido em me obrigar a ler o cartapácio enviado pelo Clube de Literatura Clássica do qual fui sócio. A edição é muito bem cuidada e bonita, como as demais do mesmo clube. No entanto, a leitura não rendia. Não vi graça nenhuma. Minha erudição não é para tanto, se é que tenho alguma. Entretanto, li três obras que me chamaram a atenção. Duas delas de um mesmo autor, sobre as quais quero comentar alguma coisa. São de um autor paranaense – Rogério Pereira. Ele é o editor do jornal Rascunho, do qual fui assinante. Desisti da assinatura porque os jornais não chegavam em data adequada, quando chegavam. Como tenho preguiça de ler em computador ou tablete, apesar de tentar continuar a fazê-lo, desisti, mas recomendo a assinatura e a leitura. O jornal é muito bom. Pois é. O Rogério, editor do Rascunho escreve, e bem. Os livros têm por título Na escuridão, amanhã (2013) e Antes do silêncio (2023). No mais antigo, os capítulos se organizam em dois blocos: letras e números. Confesso que não fiz um exercício que seria interessante fazer: anotar a ordem em que aparecem os capítulos indiciados por letras para verificar se a sequência obtida compões expressão que tenha algum sentido. Num segundo momento, este exercício levaria a considerações acerca da articulação desta expressão como o texto do próprio romance. Como não fiz o referido exercício fico na intuição de que alguma coisa resulta desta opção ficcional do autor. Os capítulos, então, vão compondo uma sinfonia dramática em que o leit motif é a relação da voz narrativa com sua mãe. Ela vai sendo apresentada em seus momentos mais cruciais durante o tratamento de um câncer. A primeira pessoa do relato esmiuça os detalhes – sórdidos, dramáticos, contundentes – de tudo o que envolve esta doença miserável. Suas opiniões, pensamentos, reações e cogitações compõem um painel doloroso de um processo em que toda uma vida se revê, como uma espécie de anamnese existencial que procura certa remissão. A estrutura do romance se alterna percepções de um presente narrativo com considerações de um passado recente e não tão recente assim. Isso faz com que esta narrativa se aproxima da outra. Nesta, a mais recente, o foco muda de mãe para o pai. Não há doença como costura de “episódios” relatados. Neste caso, o tom é mais confessional. A voz narrativa, na mesma primeira pessoa, faz considerações – nem sempre simpáticas – a seu pai. Um universo imenso de caraterísticas, situações, sentimentos e reações é caudalosamente articulado por um texto que flui de maneira densa, pesada, mas em nada e por nada desagradável. É bom ler este texto. Um detalhe interessante é que ambos os livros se desenvolvem numa chave bastante usual no âmbito da Literatura produzida no Brasil, em períodos alternados a outras experiências. O fato de os relatos se circunscreverem a uma primeira pessoa que narra, leva, imediatamente à consideração de dois traços característicos da própria ficção concebida por Rogério Pereira: o memorialismo e a autobiografia. Estes dois termos ensejam, para alguns, categorias narrativas “autônomas”. Declino do direito de polemizar com esta assertiva, sem deixar de registrar que trata-se de possibilidades de abordagem dos livros de Rogério Pereira. Quem afirmar que todo e qualquer texto narrativo – romance, conto ou novela – é fruto de um registro e de uma ficcionalização que passa, obrigatoriamente, pela memória e pela experiência existencial do autor, deixa de ser acurado em sua afirmativa. Há sempre controvérsias. Tal ideia não pode, por sua própria natureza, ser tomada como axioma irrecorrível do gênero narrativo, sobretudo quando se trata de um romance – ainda que curto, como é o caso aqui. Do contrário, quem nega resvala no mesmo equívoco. O que desejo afirmar é que: não conhecendo o autor pessoalmente e conhecendo menos ainda sua performance existencial – com exceção feita a seu exercício editorial de inquestionável valor – não posso afirmar que se trata de ficção, digamos, intimistas. Uso este termo para agradar a alguns críticos de plantão que ainda acreditam que tal “intimismo” é apenas resultado de uma espécie de relato subjetivo e confessional. No entanto, é impossível ceder à tentação de “imaginar” – aqui, este verbo é tudo! – a plausibilidade de tal possiblidade de abordagem. Pelo sim, pelo não, recomendo a leitura. Ainda que guarde certa dose mágoa: o autor jamais respondeu a uma carta que lhe enviei, quando do encaminhamento de dois livros meus. Eu adoraria ter recebi pelo menos uma nota de recebimento dos mesmos. Mas isso é outra história...

Novembro 13, 2023

Foureaux

images.jpeg


Há momentos que poderiam muito bem ser evitados. Os motivos são variados e quase inumeráveis. As consequências, inimagináveis. O que se diz a respeito não pode ser objeto de previsão. Sim, há momentos assim. De qualquer maneira, as variáveis de uma situação não podem também ser pré-determinadas. Ainda que, às vezes, isso possa acontecer, bastando, para tanto, apenas um pouco de bom senso. No entanto, a vaidade humana não conhece limites e acaba por se perder num cipoal que ela mesma criou. Muita falação. Foi o que se deu, dias atrás, na abertura de um prélio automobilístico na capital bandeirante. Um fiasco. A dita “cantora” – há controvérsias, não poucas – não abriu a boca durante alguns trechos do Hino nacional. Ao fim, deu uma desculpa mais que esfarrapada, dizendo que houve problema no som... Balela. A sua boa não se mexeu por diversos momentos da execução. Um fiasco. Não vou comentar nada. Não quero correr o risco de ficar dando explicações para quem não as merece. Ainda assim, deixo o link de um artigo mais que bom sobre o assunto. Na verdade, não se trata de um artigo, mas de uma paródia – e das boas! Aproveite quem quiser, e puder!

https://revistaoeste.com/revista/edicao-190/hino-nacional-checamos/

Outubro 29, 2023

Foureaux

STF Vergonha Internacional - A declaração de Westminster

Não satisfeitos em serem vergonha nacional há anos, agora nossos censores estão nos envergonhando na gringa

Ludmila Lins Grilo@ludmilagrilo

October 23, 2023

Lembram da famosa hashtag “STF vergonha nacional”? O justíssimo bordão, amplamente repercutido (e censurado) desde 2019, foi atualizado com sucesso: agora a vergonha não é mais só nacional. A má fama da atual composição da corte ultrapassou os limites geográficos da Banânia e está fazendo uma imponente carreira no exterior.

A suprema corte brasileira está definitivamente na boca dos gringos, e não é em citações elogiosas. Imagine só você levar a vida mentindo para si mesmo que é o amado togado do povo, depois tocar o terror censurando e prendendo quem ousa falar o contrário, pra chegar lá fora e estar todo mundo falando que você é um tiranete criminalizador de discurso político!

Tanto esforço em trabalhar uma imagem de "fiador da democracia”, pra no final ser reconhecido como censurador da nação... que várzea! Os caras forçam uma barra monumental achando que dizer a palavrinha mágica “democracia” nove em cada dez frases irá salvá-los da suprema vergonha. Pode até funcionar com os baba-ovos de redação chapa-branca e com os lambe-botas carreiristas, mas na gringa ninguém tá nem aí pra ministro bostileiro. Lá fora, a parada é diferente.

Pois foi exatamente isso que acabou de acontecer.

No mês de junho de 2023, um grupo composto por algumas dezenas de intelectuais de vários países se reuniu em Londres para discutir o declínio da liberdade de expressão pelo mundo. Dentre esses intelectuais estava a brilhante Ana Paula Henkel, que publicou algumas fotos e vídeos, tendo mantido discrição quanto a quem esteve lá, ou sobre quais casos foram debatidos.

Alguns meses se passaram, e agora em outubro/23 foi publicada a “Declaração de Westminster”. Trata-se de um manifesto internacional alertando para o aumento da censura internacional, subscrito por 141 intelectuais do mundo inteiro, de visões políticas distintas. Dentre eles, podemos destacar Richard Dawkins, Jordan Peterson, Steven Pinker, Glenn Greenwald, Edward Snowden, Julian Assange, Michael Shellenberger, Tim Robbins, Oliver Stone, Slavoj Žižek. Três brasileiros assinaram o documento: Leandro Narloch, Eli Vieira e, claro, a grande Ana Paula. (https://westminsterdeclaration.org/portugues)

O documento traz a preocupação com o abuso linguístico, mais especificamente quanto à indefinição da palavra “desinformação”. Afirma que essa terminologia é imprecisa e está sendo utilizada de forma maliciosa para calar dissidentes, por meio de um “Complexo Industrial da Censura”. Esse fenômeno seria uma coordenação em larga escala entre governos, empresas de mídia social, universidades e ONGs.

Aí é onde entra a suprema corte bananeira: no sexto parágrafo, são citados casos concretos de imposturas governamentais que estão ocorrendo em vários países contra a liberdade de expressão. Nessa parte, adivinhem quem é citado expressamente? Pois é! Sem meias palavras, o documento diz que o Supremo Tribunal Federal do Brasil está “criminalizando o discurso político”.

Vale lembrar ainda que, por três vezes, o New York Times fez matérias citando o STF (e, especificamente, Moraes)[i] [ii] [iii]com preocupação quanto ao autoritarismo e a truculência censória. O jornal australiano Spectator desnudou a “instalação de uma brutal ditadura” no Brasil, citando Moraes, Lula, e até mesmo – pasmem! – o CNJ.[iv] O La Gaceta de la Iberosfera também já mencionou expressamente a ditadura judicial brasileira para a comunidade latina.[v]

Alguém avise aí ao Sr. Alexandre que o teatrinho de fiador da democracia não cola na gringa, e que essa falsificação de Estado de Direito que ele cinicamente tenta sustentar está sendo exposta. O STF já é vergonha internacional – e será ainda mais. Em breve, as democracias no planeta compreenderão exatamente o fenômeno da ditadura judicial que ocorreu no Brasil, que passará a ser utilizado como exemplo mundial do que jamais deveria ser uma suprema corte.

BECOME A SUPPORTER

⚠️ Este é um trabalho independente, artesanal, feito com muito amor, estudo e dedicação 📚. Se você acha esta atividade relevante, considere se tornar um apoiador (supporter💰), patrocinando este canal, viabilizando publicações como essa e a continuidade deste trabalho, além de ter acesso aos conteúdos exclusivos para assinantes. ✅

 

[i] https://www.nytimes.com/2022/09/26/world/americas/bolsonaro-brazil-supreme-court.html

[ii] https://www.nytimes.com/2022/10/21/world/americas/brazil-online-content-misinformation.html

[iii] https://www.nytimes.com/2023/01/22/world/americas/brazil-alexandre-de-moraes.html

[iv] https://www.spectator.com.au/2023/01/brazil-the-installation-of-a-brutal-socialist-dictatorship/

[v] https://gaceta.es/iberosfera/la-dictadura-judicial-el-abuso-de-los-tribunales-brasilenos-contra-bolsonaro-y-sus-simpatizantes-20221116-0932/

Outubro 02, 2023

Foureaux


Que eu me lembre, jamais tive político de estimação. Caso tivesse, teria sido meu pai. Ele foi prefeito da cidade em que vivemos. A estima seria pelo fato de ser meu pai e não por ser político. Isso me parece óbvio. No primeiro turno das eleições de 2016, votei em João Goulart Filho. Não sei dizer o porquê. O pai dele é uma personagem que me fascina, ou assombra. Não sei determinar. Fato é que decidi dar UTILIDADE a meu voto – ainda que eu não acredite no voto nesta terra. Já no segundo turno das mesmas eleições, não votei em nenhum dos dois candidatos. Nenhum dos dois mereceu meu voto. Estudei muito, trabalhei o suficiente, viajei e li o que foi possível para dar meu para “qualquer um”. Ainda mais tendo que escolher entre “aqueles dois”. Não. Definitivamente não. Ainda tenho, por lei, a obrigação de ir a mais duas eleições 2024 2 2026. Estou pensando seriamente em boicotar as duas. Por lei, só ganho a opção de não ir em 2026, quando completo 70 anos. Mas me nego a gastar meu tempo, minha inteligência e minha paciência para ter de enfrentar a chatice de uma sessão de votação para votar. Somos obrigados a votar. Não somos obrigados a escolher o candidato. Isso é livre, mas o voto, ele mesmo, é obrigatório. Uma chatice. Fosse opcional já teria deixado de votar há anos. Não acredito nos políticos, não aqui. Dificilmente acreditaria em outro canto do mundo. Posso estar errado, para muita gente, estou. No entanto, reservo-me o direito de pensar assim. Fico pensando, em meus delírios, se acontecesse de eu ter que me defrontar com algumas das personagens da “cena política” tupiniquim. Muito provavelmente, não estenderia a mão para o cumprimento protocolar. Fiz muito isso durante o exercício de minha profissão. Não faço mais. Não farei mais. Enquanto isso, fico reclamando do calor. Ai, ai... Isso tudo por conta da cena patética, pra não dizer nojenta, asquerosa, criminal e vexatória daquela senhora vestida de preto em seu discurso de “despedida”. Já foi tarde... A que ponto chegamos...!

Setembro 06, 2023

Foureaux


OIP.jpg

“Ouça um bom conselho / que lhe dou de graça...” (Chico Buarque)

Você tem que fazer cara de desdém, quase nojo. Bem blasé! Olha assim como quem não quer nada ou como quem que está se lixando pro mundo. melhor ainda se der uma pitada de empáfia, arrogância, mas só uma pitada. Fica demais, um luxo. Na hora das fotos você tem algumas opções. Uma é fazer biquinho e olhar de sedução. Outra, abrir uma gargalhada bem sonora, pra mostrar o recente implante de resina branca – aquela que transformou sua dentadura num teclado de piano de quinta categoria. Ou então, mais, fácil, bote a língua de fora, isso dá um ar erótico, quase pornográfico. isso rende. Muita gente vai te seguir. Muita “gente” mesmo. Quanto à roupa, bem, aí complica um pouco. São muitos teóricos da moda, muitos “especialistas” em “estética da vestimenta”. Para além disso, você tem que um consultor, para poder dizer em que dia da semana você pode usar tal marca, a que horas, para que tipo de situação e como deve falar, agir, pensar e reagir. É muito complicado. essa parte eu deixo para os “doutores”  em moda, essa “ciência” tão necessária, indispensável mesmo, para quem ser feliz. Não há dúvida. Isso vale para sapatos e acessórios. sempre se lembrando de que marca é tudo. Não interessa quão esquisito – pra não dizer ridículo, senão patético – você fique depois de “montado”. isso é detalhe. Vale o que “as pessoas”  vão pensar, a inveja que você instigar (você acredita mesmo nisso???). ainda assim, arrisco um palpite: leve sempre consigo um livro que seja badalado, publicado pelas Cia. das Letras, lógico, de autoria de alguém absoluta e irrecorrivelmente desconhecido, mas que está “na mídia” e vai ser convidado para aquela “festa”, aquele naquele balneário colonial metido chique, isso, Paraty. O convite para essa “festa” (quem participa acredita que ler é uma festa, coitados...). Esse livro, independente de qualquer coisa e de tudo o mais é um item indispensável para a composição de sua persona descolada, chique, elegante intelectualizada e “antenada”. Todos os particípios de que você não deve esquecer. Ah... você não sabe o que é particípio. Isso eu explico depois. Vamos em frente. Bom isso quanto à aparência – fundamental e determinante. Quanto ao comportamento, é só se lembrar das dicas sobre as fotos. Qualquer coisa, seu assessor de pose pode ajudar. Isso, você tem que ter mesmo um assessor de pose. Quanto ao que dizer, não deixe de usar bem o “aí” fora do lugar 0- faz um sucesso danado na mídia; as gírias dos descolados da pauliceia (leia-se “Faria Lima” ou “Jardins”): faz “paRRRte”. Outra opção é imitar o povo do Leblon, melhor ainda da Barra. No verão é um must. No resto do ano, tem seu charme. Cuidado para não exagerar na neutralidade pronominal, substantiva e adjetiva do jargão progressista. Sim, você vai ter que se cuidar. use com moderação. Cite sempre os mesmos bordões, defenda sempre as mesmas pautas e elogie sempre os artistas perseguidos pelo fascismo do governo anterior. Você vai ser indicado ao oscar da popularidade com uma atitude dessa. Elogie a universidade “pública, gratuita e de qualidade” e meta o pau em gente intolerante, transfóbica, homofóbica, egofóbica, etcfóbica também. Penso que é isso. Se tiver alguma coisa: consulte aquela modista com nome italiano ou então a que é conhecida pelo diminutivo. Pode ser que ajude. Boa sorte!

Agosto 05, 2023

Foureaux

Unknown.jpegA postagem de hoje é mero resultado do famigerado seleciona-copia-cola. Tão prático, tão falacioso. Tão útil para a minha preguiça. Tirei de uma postagem do Twitter, da página de um médico cujas publicações sempre me interessam por inteligentes, sagazes, sarcásticas (às vezes), sempre acertadas. Fica, portanto, assentado que é apenas isso. Não custa insistir no fato de que o simples compartilhamento não significa a absoluta e irrecorrível concordância com o conteúdo do que é partilhado. Claro está que entre o branco e o preto há muitos tons de cinza – para além das outras cores. Punto i basta!

“Manipulam a narrativa de privilégios e chamam de direitos.

Manipulam a narrativa de trabalhos forçados e chamam de contribuições & impostos.

Manipulam a narrativa de propriedade privada e chamam de função social.

Manipulam a narrativa de pensamento independente e chamam de subversão.

Manipulam a narrativa de centralização da censura e chamam de democracia.

Manipulam a narrativa de tratamento precoce e chamam de negacionismo.

Manipulam a narrativa de risco imunológico e chamam de vacina.

Manipulam a narrativa de transtornos psiquiátricos e chamam de mais políticas inclusivas.

Manipulam a narrativa de p3dofilia e chamam de preferência.

Manipulam a narrativa de assassinato de crianças e chamam de controle de natalidade.

Manipulam a narrativa de masculinidade e chamam de machismo.

Manipulam a narrativa de conhecimento e chamam de arrogância.

Manipulam a narrativa de burrice e chamam de humildade.

Manipulam a narrativa de força e chamam de risco.

Manipulam a narrativa de preguiça e chamam de felicidade.

Manipulam a narrativa de sucesso e chamam de opressão.

Manipulam a narrativa de barbárie e chamam de tolerância.

Pare de ser manipulado.

10:53 AM – 4 de ago de 2023.”

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub