Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As delícias do ócio criativo

As delícias do ócio criativo

Janeiro 22, 2024

Foureaux


Eu fico impressionado como é que, às vezes, uma editora dita “de respeito” se dá ao desplante de publicar certas coisas. Não sei, de fato, quais são os critérios, ainda que intua, por experiência e conhecimento de causa – é possível utilizar este argumento – quais sejam. Muito do que está “na moda”, aquilo que é preciso dizer, pensar e escrever para não ser “cancelado”; em alguns casos, o fato de ter frequentado a oficina” de escrita criativa” do fulano ou do ciclano, não a do beltrano. E por aí vai. Repito, é impressionante. Já li muita porcaria chancelada por empresa editorial de peso”. Não há uma explicação plausível, não que me convença. Nos dias que correm, tenho me aperfeiçoado nas artimanha da personalidade de São Tomé: só acredito vendo. É este o caso do minúsculo trecho que trago à baila. Há quem diga que eu não poderia dizer o que vou dizer, porque isolei um trecho apenas. Isso afetaria a visão do conjunto e poderia desvirtuar o sentido da “obra”. Não concordo. Argumento que não se sustenta. Não estou escrevendo um tratado, tese ou ensaio sobre o assunto do livro de onde tirei o trecho. Não digo o título, nem o nome do autor, muito menos o nome da editora para não me comprometer. Hoje em dia, fazer isso é correr sério risco de ser acusado de assédio, difamação, calúnia, e quejandos... Não corro este risco. Não vale a pena. Vamos lá. O trecho é o seguinte: “(...) O passarinho vem voando, bate a cara aqui e morre, a abelha se reproduz e morre, a bananeira cresce, dá banana e morre... Nós somos os únicos chatos do planeta que querem prevalecer na face da terra a todo custo e, claro, não entrar na lista de extinção de jeito nenhum. Tem uma frase interessante que é atribuída ao Einstein: “A vida começou aqui na terra sem os humanos e pode terminar sem nós”. Esse pode é um cuidado lá dele, de não detonar de vez a bomba. Já eu sou mais arrogante e digo que a vida começou sem os humanos e vai acabar sem a gente. Não somos os donos da chave e não seremos os últimos a sair. Aliás, acho antes que seremos postos para fora – por incompetência, inadimplência, abuso, e todo tipo de prevaricação em que a gente se meteu em favor da ideia de prolongar nossa própria vida. (p.54)” De cara, duas observações de ordem linguística – lato sensu. O uso do verbo prevalecer, parece equivocado. Prevalecer? Não seria mais apropriado usar o verbo “permanecer”. Parece que faz mais sentido, pelo menos, contexto em que se encontra, a ideia de permanência é mais coerente do que a ideia de prevalência. Nem mesmo com muita “licença poética” tal troca pareceria correta. Há de se lembrar que a licença poética não desculpa para encobrir incapacidade clareza textual… Mais adiante, há um “lá, solto, lépido e faceiro. Parece-me, de novo, um equívoco. Qual a função deste advérbio aqui? Seria dar um ar de coloquialidade do texto. Se assim for, é desnecessário, como se pode notar o texto é, em sua maior parte exemplo acabado de registro coloquial, logo, esse “lá” é absolutamente dispensável. A capa do livro onde se encontra o pequeno trecho entre aspas é até interessante. Não chega a ser original, mas faz jus à autoria do livro que não conheço pessoalmente. É “pessoa pública”, como se costuma dizer. Na atualidade, faz muito sucesso por aí devido às “pautas” que defende e exara com aparente sabedoria. Eu só fico pensando... e não entendo... Como é que pode?!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub