Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As delícias do ócio criativo

As delícias do ócio criativo

Fevereiro 28, 2023

Foureaux

Lugar comum: o Brasil é um país de dimensões continentais. Outro lugar comum: a di-versidade cultural do Brasil é riquíssima. Esta, por sua vez, pode ser percebida através da linguagem regional que, utilizando a mesma Língua Pátria, o Português, ainda que falado de maneira um tanto peculiar em relação às de mais regiões falantes da mesma língua mundo afora, é um rico manancial de exemplos da referida diversidade. Senão, vejamos:

No Acre: “Arre diacho” é expressão de espanto, “Arrodear” é dar a volta; “Espocar”, estou-rar); “Xiringar” é espalhar, “Cutex” é esmalte, “Extrato” é perfume, “Ruma” é amontoado e “Baldear” é jogar água do balde.

Em Alagoas: “Eita gota” é uma expressão de espanto, “Lomba” significa engraçado, “Pei-dado” é revoltado, “Azogado” é ansioso, “Avalie” significa veja só, “Cacete” é surra, “Caba de pêia” é safado e “Biboca é um lugar distante.

No Amazonas: Telezé é a abreviação “Tu é leso, é?”, pessoa sem juízo; “Pegar o beco” é ir embora, “Te arreda” significa afastar, “De rocha” é o mesmo que de verdade, “Égua” não é a fêmea do cavalo mas uma expressão de espanto e admiração, “Dana de rato” é enrola-ção, “Ê Caroço” significa salvo por pouco e “No olho” significa resposta certeira.

Já na Bahia: “Ôxe ou oxente” é interjeição equivalente a “Ô”, “Comer água” é o mesmo que beber, “Se pique” é como dizer “saia daqui”, “Crocodilagem” é o ato de enganar, “Barril dobrado” significa tenso; “Casa da porra”, longe; “Migué” é mentira, “Ó Paí” equi-vale a olha isso, “Parta a mil” é como dizer para sair rápido, “Ficar de cocó” é segredo e “Dar um zig é enganar.

No Ceará: “Arre Égua” se usda para exprimir espanto, “Acunhar” é chegar junto, “Baixa da égua”é um lugar distante, “Bregueço” significa antiquado, “Canelau equivale a ignoran-te, “Ceroto” é sujeira, “Magote” é uma aglomeração de pessoas, “Chei dos pau” é o mes-mo que bêbado e “Gastura” é azia.

No Distrito Federal: “Véi” é alguém, “Pagar vexa” equivale a passar vergonha, “Pala” é algo ruim, “Lombra” significa devaneio, “Esparrado” ‘e o mesmo que ótimo, “Bau” é ônibus, “Cabuloso” significa exagerado e “Morgando” é o que se diz quando se está sem fazer na-da).

No Espírito Santo: “Massa” é algo legal, “Chapoca” é usado para identificar algo maior que o normal, “Véi” é como se chama alguém, “Cacunda” equivale a “nos ombros”, “Palha” é alguma coisa ruim, chata, “Champinha” é tampinha, “Pão de sal” é o famoso pão francês e “Pocar” equivale a estourar, no sentido de “muito bom”.

Em Goiás: “Rensga” é expressão de espanto, “Carcá” equivale a colocar, “Bão demais da conta” é algo ótimo, “Anêim” é expressão que significa “Ah, não...”, “Paia” é um sujeito chato, “Mocorongo” é bobo, “Ridico” é o sujeito egoísta, “Tem base?” equivale a “pode ser?” e “Trupicar” é o mesmo que tropeça).

No Maranhão: “Éguas” é o que se diz quando a gente se espanta, “Esparroso” é o mesmo que exagerado, “Aziado” equivale a sem ânimo, “Só quer ser” é expressão que identifica uma pessoa metida, “Dá teus pulos” é o mesmo que “Se vira”, “Invocado” é um sujeito zangado, “Remoso” é o mesmo que perigoso, “Té doido” é igual a “tá doido” e “Perainda” significa o mesmo que “Espera!".

No Mato Grosso: “Agora quando?” expressa dúvida, “Atarracado” é o mesmo que abraça-do, “Bocó de fivela” é um sujeito ignorante, “Arroz-de-festa” é aquele que não perde festa, “Corre duro” é o mesmo que “anda rápido!”, “Cêpo” é sinônimo de ótimo, “Catcho” é namoro, “Leva-e-traz” é o sujeito fofoqueiro e “Moage” significa frescur).

No Mato Grosso do Sul: “Alas” é legal, “Pior” se usa quando se concorda com algo/ al-guém, “Manjar” equivale a entender, “Jow” é amigo, “Barca” é sinônimo de carro, “Ba-guiu” é coisa, “Morgar” significa ter preguiça, “Dar um pião” significa sair e “Goma ou Gruta” é o mesmo que cas).

Em Minas Gerais: “Uai” é a famosa e peculiar interjeição com vários sentidos, “Sô” é forma corriqueira de senhor, “Arredar” significa mexer, “Trem” é o mesmo que coisa, “Cata-jeca” é o ônibus do/no interior do Estado, “Fragar” significa entender, “Zé dend’água” é o sujeito bobo, “Bololô” é o mesmo que confusão, “Bicudo” equivale a (bêbado) e “Pica a mula” é o esmo que cai fora.

No Pará: “Égua” é uma interjeição para exprimir espanto, “De rocha” é algo/alguém sé-rio, “Não, é pão” equivale a claro que sim, “Nem com nojo” é o mesmo que de jeito ne-nhum, “Bazuca” é chiclete, “Carapanã” é um mosquito, “Rapidola” é sinônimo de rápidoe “Filho de pipira” é alguém que sempre pede coisas.

Na Paraíba: “Oxente” é interjeição que exprime admiração, “Abibolado” se usa para al-guém sem juízo, “Arribar” significa sair, “Encarcar” é fazer pressão, “Miolo de pote” é uma coisa sem importância, “Chapéu de touro” é alguém que se relaciona com pessoa infiel e “Avoar” é o mesmo que jogar fora.

No Paraná: “Piá” é como se chama o menino, “Pila” é moeda, “Posar” é dormir na casa de alguém, “Cozido” significa bêbado, “Penal” e um estojo para lápis, “Apurado” é quem está com pressa, “Ligeirinho” é como se chama o ônibus por lá, “Pani” é padaria e “Piá de prédio” é um menino ingênuo.

Em Pernambuco: “Visse” tem o mesmo sigbnificado que a interjeiçõ “certo”, “Buliçoso” é alguém que mexe em tudo, “Emburacar” significa entrar em licença, “Boysinha” é a ma-nera carinhosa de se chamar a namorada, “Pantim” é uma dificuldade, “De rosca” signifi-ca difícil, “Arretado” é um sujeito bravo, “Zuada” é como se idêntica um barulho, “Taba-cudo” é um sujeito bobo e “Queijudo” é uma pessoa cheia de frescura.

No Piauí: “Pense” ou “Abestado” é um otário, “Botar catinga” significa atrapalhar, “Bude-jar” é o mesmo que falar muito, “Mangar” é rir de alguém, “Triscar” significa encostar, “Espancar a lôra” é um convite para beber cerveja, “Moiado” é feio e “Caxaprego” é um lugar distante.

No Rio de Janeiro: “Já é” expressa concordância, “Meter o pé” é o mesmo que sair, “Va-leu” tem o mesmo valor de um agradecimento, “Mermão” é igual a meu irmão, “Bolado” significa chateado, “Caô” é uma mentira, “Parada” significa qualquer coisa, “Tá ligado?” tem o mesmo sentido de “presta atenção”, “Maneiro” é sinônimo de legal e “Trocar uma ideia” significa conversar.

No Rio Grande do Norte: “Eita píula” é uma interjeição de surpresa, “Galado” é o mesmo que engraçado, “Balaio de gato” é sinônimo de bagunça, “Bagana”, a ponta de cigarro, “Bexiga taboca” é alguém com muita raiva e “Gangueiro” significa de gangue ou com cal-ças largas.

No Rio Grande do Sul: “Bah” é interjeição que expressa admiração, “Tchê” é uma sauda-ção, “Arrecém” equivale a há pouco, “Atucanado” é um sujeito preocupado, “Bucha” é si-nônimo de difícil, “Guri/guria é o mesmo que menino/menina, “Peleia” é uma boa briga, “Talagaço” significa “de uma vez só e “Trova” é o mesmo que mentira.

Em Roraima: “Tédoidé” é uma expressão de admiração, “Curumim” significa menino, “Maceta” é o mesmo que grande, forte, “Brocado” é alguém que está com fome, “Piseiro” é um lugar com festa ao ar livre, “Cotião” é um homem solteiro”, “Bota pra cima” tem o mesmo significado que “desafia” e “Bisonho” é aquele sujeito sem noçã).

Em Rondônia: “Marrapaz” é uma expressão que denota surpresa, admiração, “Meu ovo” expressa discordância, “Leseira” é o mesmo que preguiça, desatenção, “Lazarento” é um sujeito infeliz, “H”, o nome da letra, quando falado significa papo furado, “Cair na bura-queira” é o mesmo que cair na gandaia e “Casão” é como é conhecido o presídio.

Em Santa Catarina: “Tash tolo?” é o mesmo que Tá louco?, “Manezinho” é o morador da Ilha de Florianópolis, “Lagartear” significa passear, “Jererê” é a rede de pesca, “Calhau” é uma coisa grande, “Botar tento” significa prestar atenção, “Matar a pau” é acertar em cheio, “Em 2 toques” é aquilo que é/vai ser rápido e “Ajojado” é um sujeito quieto.

Em São Paulo: “Mano ou Meu” é o modo corriqueiro de chamar um homem ou uma mu-lher, “Bang” é coisa, “Camelar” é o mesmo que andar a pé, “Dar um pião” é a mesma coisa que dar uma volta, “Da Hora” significa legal, “Dois Palitos” tem o mesmo significado que rápido, “Na faixa” é alguma coisa “de graça”, “Rolê” é uma festa, “Bater uma laras” signifi-ca comer, “Bugado” é a;guém que está perdido, sem entender e “B.O.” é o mesmo que problema.

Em Sergipe: “Vôti” é uma interjeição que expressa surpresa, “Pungar” é entrar em veículo em movimento”, “Pentcha” é uma expressão de admiração, “A migué” é ficar à toa, ao acaso, “Quem gaba o sapo é jia” é uma espécie de elogio a alguém próximo e “Fumbam-bento” significa desbotado.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub